quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Estudar somente para trocar fralda?


 Eu pensei muito antes de escrever esse post, mas após escrever sobre minha faculdade de pedagogia eu recebi um comentário bem desagradável, meu primeiro pensamento foi simplesmente deletar o comentário em si, mas após fazer isso eu ainda não me senti 100% satisfeita.
 A pessoa simplesmente comentou que jamais faria uma faculdade para trabalhar trocando fraldas, que fazer isso era extremamente nojento e ela jamais teria essa "coragem". Infelizmente eu sei que muitas pessoas compartilham esse pensamento, por isso resolvi falar um pouquinho de como realmente funciona a troca de fraldas na educação infantil. E ah, vale lembrar que crianças não usam fralda para sempre tá? Não são todos os pedagogos que tem as fraldas como parte do seu dia a dia.
 Mas sim, eu tenho, e posso garantir que é um dos principais momentos do dia a dia na creche, um dos primordiais. Antes de tudo: não tem motivos para ter nojo, é uma coisa totalmente natural. Existem luvas (usavas somente em casos necessários) sabonete e água. 
 Então resolvi citar os motivos que me fazem sentir que esse momento é único e indispensável.
  • A troca de fraldas acontece todos os dias. É uma das rotinas que a criança se adapta primeiro porque ela não tem variantes, não existem imprevistos que a dispense e a criança percebe isso.
  • É um momento educador/criança. A criança participa desse momento, afinal, é o corpo DELA, eu converso com todas as crianças antes de realizar a troca de fralda, informo o que vai acontecer e com o tempo a própria criança já sabe qual perninha levantar primeiro, já levanta o corpinho para que não entre em contato com a fralda suja.
  • Olho no olho. Uma coisa que eu sempre faço é olhar dentro do olho do meu aluno nesse momento. Afinal, repetindo, eu estou tocando no corpinho dele. Ele precisa além de entender exatamente o que está acontecendo, sentir confiança em mim e saber que está tudo bem.
  • É quando eu conheço e reaprendo todos os dias sobre seu próprio corpo. Meus alunos tem em média dois anos de idade, alguns mais, outros menos. É no momento da troca de fralda que percebo as mudanças em seu corpo, um arranhão, uma alergia, as vezes a criança chega enjoada na escola, chorando muito, e no momento da troca percebo que ela está com alguma assadura ou até mesmo dor de barriga.
  • A criança precisa sentir toque humano, O toque transmite, transmite raiva, medo e amor. Eu gosto muito de fazer uma rápida massagem na perninha da criança e na barriga e ver ela sorrindo, isso tira a seriedade do momento. Após trocar a fralda, passar o talco, ela se sente limpa e mais leve. Termino sempre a troca com um abraço.
 Esses são alguns dos motivos que pra mim, esse momento se torna importante. E eu sei que para criança também. Então não, eu não tenho nojo e isso jamais seria um obstáculo para mim. Eu sei que esse post desvia muito dos outros já postados aqui no blog, mas eu precisava falar sobre isso! Agradeço a paciência de quem leu até aqui.

4 comentários:

  1. Não existe motivo para se envergonhar ou ter nojo de um ato que, como você mesma citou, é tão necessária e boa para a criança. É realmente um momento do educador com a criança, e é lindo. O comentário da pessoa foi totalmente infeliz. Sua profissão é incrível <3

    Beijos,
    www.destemidagarota.com ❤️

    ResponderExcluir
  2. A pessoa que fez esse comentário foi desnecessária e ignorante, né?
    Infeliz..

    Fiquei brava desculpa rs

    ResponderExcluir
  3. Tati, independente do que os outros dizem, lembre-se que você se sente feliz com isso, e o comentário em questão foi bem idiota, até pq todo mundo já usou fralda e é uma coisa super normal e não tem nada de nojento. É lindo ver que mesmo com comentários do tipo, você continua de cabeça erguida! É isso ai garota!

    A Garota dos Teus Olhos

    ResponderExcluir

© CAPRICATI © TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. DESIGN E PROGRAMAÇÃO POR DESIGNLC. imagem-logo